quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

A porta de entrada para o fracasso

Uma das  situações mais almejadas na sociedade é a 👉Independência! 
Todos querem conquistá-la.
Na vida cristã, a realidade é outra, o que nos faz travar algumas lutas contra a nossa carne.
Quando pensamos que  não precisamos  depender de Deus para as nossas ações e realizações,  cultivamos,  sem perceber, a podridão da arrogância. 😤
Não podemos ver a arrogância do coração, mas podemos percebê-la de outras maneiras, na postura, fala, tom de voz, gestos, na cabeça empinada, nos joelhos indobráveis, na autoconfiança e na obstinação.
O arrogante não fraqueja em  derrubar qualquer um que passe em sua frente, é altivo em seu proceder, se considera intocável. Ela anda de mãos dadas com a soberba e o orgulho, seus irmãos gêmeos. 
A arrogância faz com que nos percebamos mais eficientes que os outros, mais inteligentes,  mais bem afeiçoados, mais capazes, e certamente ,insubstituíveis.  
Aqueles que se sentem cheios de si mesmos, nunca poderão ser cheios de Deus. O que o arrogante desconhece, muitas vezes, é que ele vive no engano.
"A arrogância do seu coração o tem enganado". Ob. 3a
Certamente  ele não enxerga que esse  comportamento o  levará  à ruína. O Senhor colocará um ponto final nessa atitude horrenda.
"... e farei cessar a arrogância dos atrevidos, e abaterei a soberba dos cruéis. Isa.13.11
O sentimento e a atitude de arrogância é a porta de entrada para o fracasso ,pois precede a ruína. Para o soberbo, o abatimento é  certo, a altivez do espírito precede a queda.Pv  16.18 
  Lutar contra o pecado da arrogância é uma atitude de reconhecimento que andamos independentes de Deus. Que nos julgamos inabaláveis e que agimos ao nosso bel prazer,  decidindo por aquilo que nossa altivez supõe ou determina ser o melhor pra nós.   
Rejeitar  esse pecado nos leva a crer que Deus é que deve estar no comando da nossa vida , que devemos  nos curvar diante do Seu Senhorio e nos perceber como alguém que necessita  caminhar com Ele e com os demais pensando com moderação acerca de nós mesmos. Nem além e nem aquém, mas na medida certa. 
"... digo a cada um dentre vós que não tenha de si mesmo mais alto conceito do que convém; mas que pense com  moderação a cerca de si mesmo...". Rm.12.3.
Não devemos  permitir que a arrogância frutifique no solo do nosso coração. Mas desejar ser dependentes do nosso Senhor, inclinando o nosso coração 💖conforme a Sua excelsa vontade. 
Amo vocês 
Clébia ✌

3 comentários:

  1. Muito apropriadas as palavras. No meio neopentecostal, a arrogância muitas vezes se confunde com fé. O sujeito recusa-se a ver dificuldades óbvias, por exemplo, no casamento, recusa-se a corrigir rumos, atribui tudo ao "inimigo" e apregoa cheio de si que sua vitória será apoteótica etc. Quando não, as dificuldades são tão somente a justa colheita de pecados - como desavenças conjugais ou mesmo a separação.

    Já nos meios conservadores, a arrogância é talvez mais sutil, e por isso mais letal. O sujeito lê, conhece a verdade, despreza e debocha de quem não a tem e supõe que tudo está bem, quando há um divórcio estabelecido entre a teoria e a prática. Noutras palavras, farisaísmo.

    Como é precioso o equilíbrio. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Queira Deus nos guardar tanto de um como do outro extremo.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir